Felina

Alta 1,70 cabelos castanhos aloirados, olhos castanhos, 38 anos, 62 Kgs, uma felina - Mas Meiga!

21 February 2006

A loucura em versão insular

Apanhei a notícia já a meio, na Rádio. Pelo pouco que ouvi, depreendi que, na Madeira, um político, devido ao seu comportamento estranho, iria ser submetido a uma junta médica, para aquilatar da sua sanidade mental. Cheguei a pensar "Finalmente, tiveram a coragem de..." - mas, depois, vi que não era nada do que me parecia. O que sucedera é que, na Assembleia Regional, um deputado do PSD-Madeira fizera aprovar um requerimento no sentido de um deputado da oposição socialista ser entregue aos médicos, pois proferira tais acusações ao poder instituído localmente que, sem sombra de dúvida, só podia ser um louco. De resto, trata-se de um reincidente, que até está a ser julgado. À primeira, tribunal com ele; à segunda, hospital psiquiátrico com ele!

É razoável, não é? De facto quem, na Madeira, se atrever a, directamente ou indirectamente, hostilizar esse estandarte, esse campeão, esse bastião da democracia que é o dr. Alberto João Jardim deve ser doido varrido. No continente, ainda é possível Jerónimo de Sousa criticar duramente o Governo sem ser metido aos empurrões numa ambulância, rumo a um hospício, ou Francisco Louçã descascar a torto e a direito sem ser de imediato metido numa camisa-de-forças. Mas, no território onde, como sucede nos navios, depois de Deus, a única autoridade é a do capitão, a coisa fia mais fino.

Nos media o acontecimento passou despercebido, ou quase, mas também é verdade que os media já só dão as notícias de homens que mordem nos cães, o que é algo de impensável no regime jardiniano.

Portanto, o deputado socialista João Cardoso Gouveia, que insinuou que a Madeira está a transformar-se "num verdadeiro paraíso criminal", melhor será que de futuro faça como todos (e alguns são!) os que, em Portugal, a Madeira incluída, têm a responsabilidade de zelar por que a democracia seja respeitada.

Ou seja, ficar calado. Ou esperar que os psiquiatras, ou lá quem é que irá examiná-lo, concluam que, de facto, tem problemas do foro mental, pois não se apercebe de uma evidência mais do que gritante. A de que, como a moralidade, a democracia varia com a latitude.

1 Comments:

  • At 3:45 PM, Anonymous Ofeliazinha said…

    Eles nunca vão ter coragem disso que pensaste. O medo é terrivel. Obrigada pela visita.

     

Post a Comment

<< Home